fbpx

Segurança do trabalho na indústria: 5 passos para implementar boas medidas

Como implementar medidas de segurança do trabalho de forma eficiente na rotina da indústria? Veja o passo a passo de como começar!

06/10/2022

Segurança do trabalho na indústria: 5 passos para implementar boas medidas

O passo a passo para implementações ações de segurança do trabalho na indústria

Nos últimos dez anos, 22.954 pessoas morreram em acidentes de trabalho no Brasil. Só em 2021, o aumento foi de 30% em relação a 2020, segundo dados do Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, desenvolvido pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Mais do que uma impressionante evolução, esses números demonstram que as empresas ainda estão pecando em uma estratégia essencial dos processos internos de uma empresa: a segurança do trabalho.

A segurança do trabalho é um conjunto de medidas e ações que ajudam a identificar e mitigar a ocorrência de acidentes, doenças ocupacionais e outros danos à integridade física e mental dos trabalhadores. Trata-se, portanto, de uma estratégia que garante a manutenção de um ambiente saudável e favorável para a saúde e o bem-estar de todos os que cumprem sua jornada de trabalho ali.

A importância da segurança do trabalho para a indústria

Os resultados das ações voltadas à segurança do trabalho vão muito além de proteger a saúde e a integridade do trabalhador. Um ambiente seguro também ajuda a evitar grandes prejuízos físicos e financeiros para a empresa, incluindo despesas com afastamentos, licenças médicas, ações judiciais e procedimentos para reparar a imagem da empresa perante o mercado. O próprio Observatório do MPT mostrou isso: cerca de 469 milhões de dias de trabalho foram perdidos ao longo dos dez anos analisados.

Além disso, boas medidas de segurança do trabalho também fortalecem a credibilidade do negócio, o que ajuda a demonstrar que ele está preocupado com a responsabilidade social.

Como implementar a segurança do trabalho na indústria

O processo de segurança do trabalho pode ser implementado na indústria em 5 etapas. Confira!

1. Identifique e mapeie os riscos do ambiente de trabalho

O primeiro passo para implantar ações de segurança do trabalho na indústria é conhecer a realidade do ambiente. Quais são os riscos que ele oferece aos trabalhadores?

Fazer esse mapeamento detalhado do ambiente nada mais é do que uma análise de riscos que ajude a indicar as situações e elementos que podem resultar em acidentes. Verifique, por exemplo, a sinalização, o espaço de circulação de pessoas, a existência de objetos no chão, a presença de fios desencapados e a disposição do maquinário e dos equipamentos no ambiente.

2. Elimine ou diminua as ameaças de acordo com o trabalho

Depois da análise de riscos, é hora de elaborar o plano de ação para eliminar ou mitigar os problemas identificados no mapeamento. Por isso, todo o cuidado é pouco na hora de colocar tudo no papel.

Atividades que são naturalmente arriscadas precisam seguir algumas instruções específicas que estão indicadas em normas reguladoras editadas pelo MTE. Quem trabalha a céu aberto, por exemplo, precisa contar com a proteção de abrigos contra intempéries, além de sanitários e moradias adequadas, se for o caso, conforme determina a NR-21.

3. Estimule o uso de EPIs

O uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) é obrigatório e também um dos elementos mais importantes para a proteção do trabalhador contra acidentes, independente da função que ele desempenha. Essa exigência consta na NR-6 e depende da atividade exercida, do ambiente de trabalho e da dimensão do perigo ao qual o empregado está exposto.

Os mais comuns são:

  • Botas, sapatos e coturnos apropriados para evitar acidentes com objetos pontiagudos e cortantes, quedas e derrapagens em locais úmidos e escorregadios e contato com picadas e mordidas de animais.
  • Protetores de cabeça, como capacetes e viseiras que protegem o trabalhador da queda de objetos, batidas e radiação solar.
  • Luvas de proteção para quem manipula agentes abrasivos, óleos, solventes e graxa, além dos riscos com temperaturas muito altas ou baixas.
  • Equipamentos de proteção facial, como máscaras para proteger contra gases e vapores poluentes, partículas, poeiras e outros materiais tóxicos e contaminantes.
  • Óculos protetores para partículas volantes, gases, vapores etc.
  • Protetores, como abafadores ou tipo “plug”, que protegem os trabalhadores expostos a ambientes com muita poluição sonora.
  • Equipamentos para trabalho em altura, como cintos, talabartes reguláveis, cinturões e trava-quedas.

É dever da empresa fornecer EPIs adequados ao risco, exigir e fiscalizar o seu uso, oferecendo treinamento e substituindo acessórios quando eles estiverem sujos ou danificados.

4. Crie uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) é responsável por promover ações de saúde e segurança do trabalho, junto com o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) da empresa.

A constituição da CIPA grupo é obrigatória nas empresas, de acordo com a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e com a NR-5. Ela é formada pelos próprios funcionários, alguns representando o empregador, outros o empregado. Eles irão dividir suas atividades profissionais com o trabalho voluntário de inspecionar os ambientes e os riscos à saúde e segurança das pessoas.

5. Desenvolva uma política de segurança e saúde no trabalho

Implantar uma política de segurança e saúde no trabalho é uma estratégia que vai ajudar a empresa a criar uma cultura interna de proteção ao bem-estar de todos os seus colaboradores. É essa política que vai balizar e guiar todas as ações, princípios e as diretrizes de segurança adotados pela indústria.

Também é o que vai assegurar o funcionamento e a manutenção dos diferentes programas de segurança do trabalho que são exigidos pela legislação, como, por exemplo:

  • PCMAT (Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção), responsável por garantir instalações sanitárias, vestiário, alojamento, local de refeições e área de lazer em obras com mais de 20 colaboradores.
  • PGR (Programa de Gerenciamento de Riscos), responsável por assegurar a proteção de trabalhadores em todos os setores industriais.
  • PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), responsável por fazer o diagnóstico precoce dos riscos e consequências do ambiente de trabalho por meio de exames médicos ocupacionais.

A implantação desses programas nas empresas, de acordo com a realidade do trabalho exercido por ela, é obrigatória por lei. O descumprimento pode ser penalizado com multa.

Investir em ações e medidas efetivas que envolvam a segurança do trabalho ajuda não só a mitigar os riscos e situações de acidente, como também a melhorar todo o clima organizacional da empresa.

Por isso, conte com a Nortel para o fornecimento das melhores linhas de EPIs para proteger seus trabalhadores e garantir a eles o bem-estar e integridade que merecem.

Gostou? Compartilhe nas redes sociais!